domingo, 29 de agosto de 2010

Vergonha


Meu rosto quente; minhas mãos frias; gotas de suor gélidas...
Vários pares de olhos me olhando. 
Eu engulo seco,
minha garganta arranha em protesto. 

Vergonha de quê? 
De quem?
Não sei, é simplesmente vontade de sair correndo.
Medo de errar,
escorregar, 
o que for...

Sensação terrivel,
Fraqueza nas pernas, 
não me escuto mais, 
só sinto os meus lábios se movendo depressa,
mas sem certeza do que sai deles. 

Não sei quando começa, 
nem quando termina essa sensação, 
mas o único lugar em que meus desejos e palavras saiem soltos
é no papel.

Com mão firme,
o barulho do batuque ritmado do teclado
me transforma...
me faz crer que mesmo compondo poemas sem rima, 
vale a pena não ter vergonha.
Pois alguém, do lado de lá da tela,
quer ler o que sai para o papel 
dessa mente desavergonhada.

(Larissa Cruz)

--------******--------
Olá leitores!
Não voltei ainda, infelizmente... estou no notebook da minha tia, mas não tenho acesso sempre aqui, então é provavel que fiquem sem meus posts por mais um tempinho... prometo que sempre que puder e tiver acesso, posto aqui, ok?  
Meu pc ainda está "possuido" e não sei se tem jeito... por isso, paciência e não me abandonem!
Beijos, Lari.

2 comentários:

Gabriel Silveira disse...

ótima postagem, isso faz da sua escrita uma arte! beijos.

Adria disse...

Perfeito *-*